i-love-coffee-wallpaper_1920x1200_80513.jpg

Verdades e mitos sobre o café

31 Flares Twitter 0 Facebook 31 Email -- Google+ 0 31 Flares ×

Mitos e verdades sobre o café se espalham desde que ele surgiu na Etiópia e se difundiu pelo mundo através do Egito e da Europa. Por aqui, ele talvez seja o maior consenso entre pessoas de diferentes classes, etnias e crenças políticas e religiosas – afinal, não há mal entendido que resista a um bom cafezinho.

Reza a lenda que um pastor árabe chamado Kaldi percebeu que suas ovelhas ficavam mais espertas quando comiam folhas e frutos de uma determinada árvore. Claro que ele não resistiu e provou, sentindo-se tão bem que logo a notícia se espalhou. Foi então que um monge começou a beber uma infusão dos frutos para resistir ao sono durante as orações. E assim foi se espalhando até que, na Pérsia, alguém resolveu torrá-los pela primeira vez. O cheirinho do café torrado deve ter sido tão bom que provavelmente fez alguém arregalar os olhos de prazer. Claro, são mais de 200 componentes que se espalham pelo ar, provocando o olfato de qualquer um. O problema é que dizem que uma bebida tão gostosa faz mal à saúde. Será?

Aí é que está: hoje o café é considerado uma bebida funcional, que faz bem à saúde. De acordo com dados de 2012 do Conselho Nacional de Café, 97% dos brasileiros acima de 15 anos consomem a bebida todos os dias. Já de acordo com o Instituo Brasileiro do Café, cada brasileiro consome nada menos que 80 litros de café por ano. Mas como assim? Algumas pessoas não devem evitar beber café?

Idosos e gestantes não devem tomar muito café

Verdade. Devem restringir o consumo sim, eles e quem tem sensibilidade comprovada à cafeína, assim como mulheres na menopausa e quem sofre de má digestão ou insônia. Por outro lado, isso é uma restrição, não uma proibição, já que vários estudos têm mostrado que o consumo de cafeína diário inferior a 300 mg não apresenta risco algum a ninguém.

A diferença entre o mito e a verdade está no bom senso: tudo o que é consumido em exagero faz mal. Quando se pensa em café, pensa-se logo na cafeína, mas apesar dela ser seu ingrediente mais famoso, está muito longe de responder pela maioria da sua composição. Na verdade, cada grão tem apenas entre 0,8 e 2,5% de cafeína, sem contar que ela também é encontrada nos refrigerantes à base cola, no chá gelado e até no chocolate.

A forma como o café é preparado faz diferença

Verdade. Isso porque ele tem dois elementos que elevam o índice de colesterol no sangue, o cafestol e o caveol, que são removidos dos grãos pela água fervendo. Só que o filtro de papel retém essas substâncias, mas o de pano as deixa passar junto com o a água.

Ou seja, má notícia para os “puristas” que só gostam dos surradinhos filtros de pano. Quem insistir deve guarda-los na geladeira para evitar a proliferação de bactérias e lavá-lo todos os meses.

 

Por outro lado, a torrefação também influencia nos efeitos do café, porque o grão perde suas substâncias benéficas quando é submetido por um longo tempo a altas temperaturas. Então, não é para deixar de beber café, só para escolher os pós com a cor mais clarinha, achocolatada.

Leia mais sobre a preparação do café em 7 segredos de um bom café.

Cafeína faz mal à saúde

Mito. A não ser que a pessoa consuma uma quantidade exagerada, o equivalente a 4 xícaras grandes por dia ou 500 mg de café diários. Neste caso ela pode, sim, causar arritmia, diarreia, insônia, ansiedade, irritabilidade e até tremores.

Como a substância compete com a Vitamina C e o ferro, pode acabar eliminando-os do organismo. Também aumenta a eliminação de cálcio. Gestantes, pessoas com problemas ósseos ou psiquiátricos devem consumi-la moderadamente, na medida de 150 mg para uma pessoa de 60 kg, o que equivalente a duas ou três xícaras pequenas.

Para o Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador americano, por exemplo, a cafeína é uma substância segura, desde que ingerida moderadamente.

Criança não pode tomar café

Mito. Desde que sem exageros, claro. Aliás, as crianças já consomem cafeína no chocolate, no refrigerante de cola e nos chás gelados, por exemplo.

Café ajuda a amenizar a enxaqueca

Verdade. Simplesmente porque a cafeína é vasoconstritora e ajuda a combater o efeito doloroso da vasodilatação. Por isso, muitos analgésicos têm cafeína entre seus componentes.

Café emagrece

Verdade. A cafeína é termogênica, portanto ela ajuda a acelerar o metabolismo, facilitando a queima de calorias. Mas claro que só café não vale; ele deve estar associado a uma dieta balanceada.

Café causa envelhecimento precoce

Mito. Aliás, como ele é rico em substâncias antioxidantes que combatem os radicais livres, é mais fácil melhorar a pele e demais estruturas do que causar envelhecimento.

Café vicia

Mito. O que acontece é que com o café há uma melhora tão boa no organismo, inclusive ao nível de adaptações celulares, que quem bebe demais café sentirá diferença ao reduzir a dose, podendo ter reações como dores de cabeça e irritabilidade. Isso só acontece, no entanto, com quem faz uma ingestão crônica e exagerada da bebida.

Café facilita a concentração

Verdade. Já ficou comprovado que apenas uma xícara de café em jejum aumenta a acuidade sensorial e mental em curto espaço de tempo, além de aumentar os níveis de energia. Por isso, a pessoa fica mais atenta e concentrada, facilitando o aprendizado.

Pronto para a pausa do cafezinho? Esse pequeno break no trabalho também já se mostrou importante para a produtividade, por isso cada vez mais empresas incentivam o cafezinho da tarde a seus funcionários. Leia mais sobre o assunto em Saiba como a pausa para o cafezinho pode transformar a produtividade da sua empresa.

Aproveite e boa degustação!

Outros posts sugeridos:

Café: uma bebida para todas as ocasiões (e estações)

Que tal inovar com capuccino no escritório?

 

H - Botão Conversão Comparativo de Máquinas

BANNERS-600